Translate

terça-feira, 27 de agosto de 2013

Ataques de pânico !

Hoje começamos o dia de uma maneira diferente, hoje começamos com "ataques de pânico".

Já há algum tempo que queria partilhar com vocês este transtorno psicológico que me acompanha à cerca de dois anos.

Os ataques de pânico como devem saber são uma causa psicológica ou melhor, um transtorno psicológico que acontece do nada sem motivo nem explicação e que podem durar entre 10 a 30 minutos. Ontem, na hora do meu almoço sofri um e digo-vos que não foi fácil de passar e durou mais que o tempo "previsto" incapacitando-me de regressar ao meu trabalho.


O que são:

Os ataques de pânico são desencadeados por um medo intenso, inesperado e sem razão aparente, que cria um estado de ansiedade extremo, acompanhado por sintomas físicos, semelhantes aos de um enfarte, que leva o doente a pensar que vai morrer.

Trata-se de um transtorno psicológico que se manifesta em episódios bruscos e inesperados, de medo intenso de perder o controlo, de que algo horrível vá acontecer e até de morrer. Estes ataques costumam demorar entre 10 a 30 minutos e são acompanhados de sintomas físicos que podem confundir-se com os do enfarte.



Causas:


Costuma estar associado a situações vitais muito stressantes ou críticas e com a interpretação que a pessoa faz dessas circunstâncias difíceis. Trata-se de um transtorno psicológico que se manifesta em episódios bruscos e inesperados – sem causa aparente – de medo intenso de perder o controlo, de que algo horrível vá acontecer e até de morrer. Estes ataques costumam demorar entre 10 a 30 minutos e são acompanhados de sintomas físicos que podem confundir-se com os do enfarte.


Sintomas:


Dificuldade em respirar, dores no peito, palpitações, suores, tremores, enjoos, formigueiro, náuseas, e mal-estar abdominal são os sintomas mais comuns. Muitos doentes isolam-se e deixam de fazer a sua vida normal com receio de um novo ataque de pânico.


Tratamento:


Normalmente, combina-se a psicoterapia com técnicas de relaxamento e de respiração. A primeira tem como objectivo conhecer e compreender os conflitos psicológicos subjacentes aos ataques de pânico. Nos casos mais graves, o tratamento passa por tomar tranquilizantes e antidepressivos, que não devem ser interrompidos sem vigilância médica. 



Aprenda a reagir:
Agorafobia
 

É o medo de frequentar espaços públicos, com muita gente ou dos quais não possa sair facilmente. 

Se este problema não for tratado, pode mudar a vida da pessoa, limitando cada vez mais as suas actividades. Sentirá medo de sair de casa, de ficar sozinha ou de voltar aos lugares onde sofreu um ataque de pânico.


3 truques para afastar o pânico:


- Lembre-se que o que lhe acontece não é perigoso, que é apenas uma reacção ao stress.

- Não lute contra estas sensações intensas, aceite-as. Centre-se no presente, no aqui e no agora e não no que poderá acontecer. 

- Quando começar a sentir o ataque conte de forma decrescente a partir de 100 e de três em três números.






Tudo o que foi escrito em cima é exactamente o que eu sinto. Não consigo evitar e acreditem que depois de ter o ataque sinto-me mal, triste e revoltada .

Se algum de vocês sofrer do mesmo pfv partilhem comigo.

SC


6 comentários:

  1. Oi... infelizmente também sei o que é. Tive o 1º há mais de dois anos atrás. Estou muito melhor mas a minha vida nunca mais será a mesma. A minha mente funciona em torno deste assunto. Tenho dias melhores, outros piores mas consigo pensar num futuro, coisa que há dois anos não o fazia. Quando me sinto realmente bem imediatamente me lembro que já não me sentia assim há muito tempo e pimbas volto a pensar no mesmo. Cheguei a pensar que não seria capaz de viver assim para sempre. É "bom" sabermos que não somos as únicas. É um sofrimento sem explicação, com o tempo vamos perdendo o medo e começamos a controlar melhor a ansiedade.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, bom dia. O primeiro ataque que tive também foi há mais ou menos dois anos atrás e digo-lhe já que parecia que ia morrer, posso mesmo dizer que foi dos piores. Procurei um médico que me receitou uns SOS (Victan), são a minha salvação. Desde o primeiro ataque e depois de ter sido acompanhada fiquei melhor mas mal podia eu pensar que no ano passado "eles" iam voltar. Desde então são mais repetitivos e intensos, neste momento e no espaço de 15 dias já tive dois. Começo por sentir medo, choro muito, tenho vontade de sair do local em que me encontro, por vezes grito, deixo de sentir as mãos e depois sinto um formigueiro, a minha boca fica tipo cortiça, não quero que as pessoas olhem para mim, tenho tonturas, deixo de ter força no corpo, enfim sintomas que fazem parte. Tento não me isolar nem deixar de fazer a minha vida e graças a Deus tenho conseguido. Quando vou a um bar, centro comercial, ou outro tipo de lugares que possam ter muita gente, tento abstrair -me e não pensar que "vou ter um ataque" e corre bem. Aos meus amigos que ficam assustados, digo lhes apenas "se alguma vez presenciarem agarrem-me na mão e não me façam perguntas pois eu não sei responder e não me deixem sozinha". "Eles" aparecem do nada sem motivo nem explicação. Neste momento ando à procura de um psicólogo que me possa acompanhar e ajudar a superar este transtorno. Não podemos desistir nem entregarmos-nos aos medicamentos nem muito menos ter vergonha, temos sim que continuar com a nossa vida e fazer tudo normalmente ;)

      Eliminar
  2. Eu felizmente já não tomo nada pois tinha de me desintoxicar para poder receber um bebé. Consegui e tu também vais conseguir aprender a controla-los sem medicação, eu tomava o elontril e outro á base de valeriana, não senti grande grande diferença quando deixei de os tomar a nível da ansiedade mas enquanto os tomava sentia-me mais segura. Enfrenta-os. Eu ainda falei com um psicólogo mas não houve empatia e não resultou. Mas acredito que ajude bastante. Força.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu só tomo os SOS quando estou a ter um ataque mas primeiro tento acalmar-me e bebo água com açúcar, também ajuda. Sim vou conseguir enfrentar porque somos mais fortes :D Parabéns pelo teu bebé, acredito que será uma boa ajuda para ultrapassares esses momentos menos bons.

      Um beijinho, e qualquer novidade não hesites em contactar-me !

      SC**

      Eliminar
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Eliminar
  3. Se vc pensar que a cada dia vai melhorar um pouquinho em pouco tempo vai perceber que pode vencer

    ResponderEliminar